Calvície Masculina e Feminina: Causas e Diferenças

A queda de cabelo é um problema para você?

Bem vindo ao post inicial da nossa série de artigos sobre calvície, um tema delicado principalmente para os homens. Nesse primeiro artigo discorremos sobre as principais causas da queda capilar e as peculiaridades das calvícies masculina e feminina.

Incidência da calvície em homens e mulheres

Antigamente acreditava-se que a calvície era um problema exclusivamente masculino. Entretanto, esta é uma realidade que vem sendo desconstruída a cada dia, já que as mulheres também sofrem com o problema. A incidência da calvície feminina não necessariamente aumentou, o fato é que as mulheres sempre tiveram mais recursos para ocultar a calvície, seja por meio do tipo de penteado ou até mesmo uso de perucas. Em meio a esse cenário há o transplante capilar, uma forma de tratamento para pessoas acometidas por estágios mais avançados da queda capilar.

Aproximadamente 50% dos homens irão sofrer com a queda de cabelo até os 50 anos de idade, e 70% se considerarmos até os 70 anos. Apesar de serem menos acometidas pela calvície, as mulheres também podem desenvolvê-la, principalmente após a menopausa. Em torno de 25% a 40% das mulheres irá sofrer algum grau de perda capilar ao longo de sua vida.

Diferenças entre as calvícies masculina e feminina

Normalmente, os homens apresentam um padrão de calvície diferente daquele apresentado pelas mulheres. A queda de cabelo feminina caracteriza-se por uma rarefação no alto da cabeça. Assim, dificilmente as mulheres apresentam “entradas” ou “coroinha”, embora isso também possa acontecer.

Nos homens, a situação mais comum envolve a perda de cabelo nas “entradas”, evoluindo para a queda capilar na região da coroa. Nos casos mais avançados, a calvície pode provocar a perda de cabelo em todo o alto da cabeça. Porém, o padrão difuso de calvície feminina também poderá se manifestar em homens. A calvície difusa pode acometer todo o couro cabeludo, apesar de sua parte superior se tornar mais visível devido à falta dos fios, poderá haver uma rarefação por toda a cabeça.

Quanto mais cedo surgir a calvície, mais agressiva ela tenderá a ser. Logo, quem começa a perder cabelo com 18 ou 20 anos de idade, por exemplo, tem grandes chances de ficar calvo aos 30, 35 anos ou até mesmo antes disso. Já indivíduos que começam a perder cabelo apenas com 40 ou 50 anos, dificilmente terão graus mais acentuados de calvície.

Causas da queda de cabelo

A queda de cabelo pode ser ocasionada por centenas de motivos. A mais conhecida é chamada de alopecia androgenética. Trata-se de uma calvície de origem genética e que geralmente se manifesta na fase adulta.

Muitas vezes, o indivíduo tem irmãs ou irmãos com problemas de calvície, mas ele próprio poderá não ser afetado. Logo, ter pais calvos não significa que o filho necessariamente desenvolverá a calvície. Do mesmo modo, o fato deles não terem o problema, não garante que o filho não irá desenvolvê-lo. No caso da calvície, a genética é multifatorial. Assim, mesmo que o indivíduo não conheça nenhum membro familiar que tenha genética positiva para calvície, ela poderá se manifestar em virtude da influência exercida por um antepassado distante.

Causas reversíveis

Quando se tem uma alopecia cicatricial, caracterizada pela destruição definitiva do bulbo capilar, a perda de cabelo é irreversível. Contudo, existem quedas de cabelo reversíveis.

Após darem à luz, por exemplo, as mulheres costumam perder muito cabelo. Ser submetido a uma cirurgia de apêndice, por exemplo, pode levar à queda de cabelo e à amidalite. Nestes casos, não é necessário iniciar nenhum tratamento específico para reavê-los. Outra situação se refere à queda de cabelo motivada por estresse, que por sua vez pode ser físico ou psicológico. Crises emocionais também podem acarretar a queda súbita dos cabelos. Por fim, cada caso deve ser analisado individualmente para se determinar qual é o melhor tratamento.

Mitos relacionados a queda de cabelo

Existem muitos mitos relacionados a queda capilar. Usar boné, dormir com o cabelo molhado e utilizar capacete não provocam queda de cabelo. Já mulheres que costumam manter o cabelo muito esticado, por exemplo, podem desenvolver uma alopecia de tração, que por sua vez gera uma queda mais localizada. Com a manutenção desse tipo de penteado por alguns anos, poderá ocorrer a perda definitiva dos fios.

Quer descobrir quais são alguns dos principais tratamentos para combater a queda capilar? Caso positivo não deixe de ler nosso segundo post da série calvície.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Conteúdo protegido!